Novo golpe no WhatsApp alcança 1,5 milhão de acessos

Sem Comentários

01/01/2018

Um novo golpe que circula no WhatsApp usa o nome de uma multinacional para enganar usuários do mensageiro. Apresentada como uma suposta promoção que promete R$ 40 mil em prêmios, a ameaça se espalhou no app de mensagens por meio de três links maliciosos. As informações são de uma análise feita por um analista de segurança. Segundo o estudo, um dos endereços na internet (domínios, no termo técnico) criados para a campanha contava com um link encurtado que teve 739 mil acessos em menos de 24 horas. Outro endereço chegava a 835 mil registros em 30 horas – totalizando mais de 1,5 milhão.

Isca

O mecanismo utilizado pelos criminosos é o mesmo já visto em outros ataques ao longo do ano. Ao clicar no link recebido em uma conversa, o usuário é levado a um site que pede o compartilhamento da mensagem com dez amigos do mensageiro para supostamente ganhar R$ 40 mil em prêmios. Em seguida, a pessoa é redirecionada para a instalação de aplicativos – suspeitos ou legítimos. No primeiro caso, era comum que programa trouxesse propagandas, e no segundo, a intenção era gerar tráfego e conseguir mais instalações em apps pagos. Outra possibilidade era o redirecionamento para páginas que ofereciam serviços pagos de telefonia celular. O WhatsApp é o mensageiro mais popular do Brasil desde 2015, e atualmente é usado por mais de 80% das famílias no país. Em 2017, ele conquistou o título de app mais baixado da Google Play Store.

Como se Proteger?

As dicas para não cair em golpes no aplicativo são simples. É preciso cautela ao receber qualquer link por ele, seja em uma conversa com um desconhecido ou mesmo em mensagens de familiares. Caso tenha dúvida sobre a veracidade de uma promoção, verifique o site oficial da marca ou suas redes sociais, que geralmente são verificadas. Além disso, é recomendado ter um antivírus instalado no celular e nunca fornecer senhas e dados pessoais em sites com domínios desconhecidos.

Ler a notícia na íntegra

Fonte: Agora Litoral

Saiba mais sobre os crimes de fraude no site do BrSafe.

Comentários

*