Loja de veículos é acusada de estelionato em Ribeirão Preto

Sem Comentários

10/02/2014

Uma loja de revenda de automóveis em Ribeirão Preto praticou estelionato com pelo menos oito pessoas na cidade. A loja não devolveu os veículos consignados antes de fechar as portas. O 6º Distrito Policial está apurando o caso e já executou sete boletins de  ocorrência relacionado a loja. Em seis ocorrências, os proprietários reclamam que deixaram o carro para ser vendido, mas a garagem foi fechada e os veículos sumiram. Segundo o delegado responsável pelo caso, os sócios da empresa podem ter a prisão preventiva decretada. Além disso, após a conclusão dos inquéritos, eles podem responder por estelionato e apropriação indébita. “Acreditamos que ainda possa haver vítimas. Cinco carros já foram bloqueados”, diz. Um advogado que representa três das vítimas, explica que ainda não se sabe o que foi feito com os carros. “Não sabemos onde eles estão e nem se foram vendidos irregularmente. Não foi dada nenhuma satisfação para os proprietários”. Dentre as vítimas que a polícia tem notícia até agora, um motorista escolar de 40 anos, é o único que comprou um dos carros irregulares. “Eu vi a Kombi em um anúncio na internet e fui até Ribeirão vê-la. Gostei, eles pediram R$ 16 mil isso foi no dia 13 de dezembro”, diz ele.” Eu fiquei de voltar lá para pegar o documento e daria a diferença”. Na última quinta-feira é que ele se deu conta que a loja estava fechada. “Fui até lá e vi a loja fechada. Levei um susto”, conta. Para resolver a questão, o homem entrou em contato com o proprietário do veículo, que não havia recebido dinheiro algum. “O proprietário teve bom senso e resolveu dividir o prejuízo. Eu paguei R$ 21 mil por um carro de R$ 16 mil. E ele recebeu R$ 11 mil pelo carro de R$ 16 mil. Mas ainda tenho esperança de receber esse dinheiro”. Os sócios da revendedora não foram encontrados. O advogado que responde pela loja não retornou o contato para a equipe de reportagem que cobriu o caso.

Ler a notícia na íntegra

Fonte: ACidade

Saiba mais sobre os crimes de fraude no site do BrSafe.

Comentários

*