“Loba do Tinder” é acusada de aplicar golpes em mais de 100 homens

Sem Comentários

06/11/2018

Um mulher, de 29 anos, foi presa por policiais da 30ª Delegacia de Polícia, em São Sebastião (DF). Ele é acusada de aplicar golpes em homens. As vítimas, segundo os investigadores, eram escolhidas por meio de aplicativos de relacionamento, como o Tinder. Entre elas, estão empresários, DJs e policiais. A mulher, ou a “Loba do Tinder”, era investigada pela 1ª DP (Asa Sul) desde maio de 2017 por estelionato, difamação e extorsão. E, durante a apuração, os policiais descobriram que ela aplicava golpes. Após conquistar a confiança de suas vítimas, ela afirmava que um parente havia falecido e pedia empréstimos em dinheiro com o pretexto de ir ao velório. A suspeita apresentava-se como advogada ou empresária do ramo de cosméticos. E, depois de seduzir e se envolver com os homens, conseguia convencê-los a fazer pequenos empréstimos. Um dos homens teria emprestado um total de R$ 50 mil à golpista, no período de seis meses. Os investigadores calculam que ela tenha enganado mais de 100 homens, a maioria casados, que ficavam com receio de expor a situação e denunciar a mulher. Ela ainda se passava por vítima. Durante a investigação da 1ª DP, ela registrou uma ocorrência falsa de violência doméstica (Maria da Penha) contra uma das pessoas com quem teria se relacionado. Teria ainda denunciado, de maneira indevida, o delegado responsável pelo caso por abuso de autoridade ao Ministério Público. A mulher é também acusada de ameaçar as vítimas assim que elas tentavam romper o relacionamento. Exigia indenização, afirmando que havia sido enganada. E, caso se recusassem a fazer os pagamentos exigidos, ela difamava os homens em redes sociais, dizia que ia contar tudo para os familiares ou iria ao local de trabalho deles fazer um “barraco”. A mulher agia não só no DF. Ultimamente, segundo os investigadores, aplicava golpes no interior de São Paulo.

Ler a notícia na íntegra

Fonte: Metrópoles

Saiba mais sobre os crimes de fraude no site do BrSafe.

Comentários

*