Estelionatários usam montadora e loja de veículos para aplicar golpes em clientes na web, na região de Campinas

Sem Comentários

26/06/2018

Um golpe na internet tem usado uma montadora e uma loja de veículos para causar prejuízo a consumidores da região de Campinas (SP) que procuram carros e motos para comprar em um site. A farsa só é descoberta depois de toda a negociação com os supostos vendedores e o depósito bancário na conta dos criminosos. Uma operadora de máquinas, moradora de Americana (SP), foi uma das vítimas. Se interessou por um anúncio de veículo na OLX que seria comercializado direto da montadora da Hyundai em Piracicaba (SP), por um suposto funcionário da fábrica. Após falar com duas pessoas envolvidas na fraude, entrou em contato com um homem que seria do setor financeiro para concluir a compra. As ligações tinham gravações com propagandas da fábrica, o que deu à vítima a impressão de que se tratava de um contato oficial. A negociação dos valores foi feita por WhatsApp. O golpista enviou outras fotos do veículo e, por email, emitiu um suposto pedido de faturamento em papel timbrado da montadora. O depósito feito por ela, em seguida, foi de R$ 12.653. A montadora Hyundai informou que todos os veículos são comercializados exclusivamente nas concessionárias autorizadas e nunca por intermédio de seus funcionários ou por outros meios. A OLX disse que registra cerca de 500 mil novos anúncios por dia e que a negociação é feita fora do site, e não participa das transações. A empresa informou, ainda, que todos os anúncios têm uma opção de denúncia e que consegue deletar publicações e usuários irregulares. A OLX orienta que as vítimas registrem boletim de ocorrência na Polícia Civil e que colabora na apuração dos fatos.

Alerta

Com a facilidade em publicar um anúncio na internet, uma advogada especializada em direitos do consumidor alerta aos compradores que verifiquem todas as informações dos bens que procuram. Segundo ela, as plataformas na internet são responsáveis pelas transações dos produtos que anunciam. “Hoje existem vários julgados onde a plataforma é solidária e responsável por essa intermediação. A partir do momento em que ela está fazendo essa intermediação entre vendedor e comprador, ela acaba sendo responsabilizada. Inclusive, isso é uma previsão do Código de Defesa do Consumidor”, explica.

Ler a notícia na íntegra

Fonte: G1

Saiba mais sobre os crimes de fraude no site do BrSafe.

Comentários

*