Estelionatários falsificam documento de policial civil para aplicar golpes dos nudes e do falso depósito

Sem Comentários

19/08/2019

Há pouco mais de um ano, um policial civil de 36 anos, foi obrigado a trocar de lado do balcão na delegacia: de investigador de crimes violentos e com muito dinheiro envolvido em um dos principais departamentos da corporação, tornou-se alvo de estelionatários em vários pontos do Brasil. Criminosos falsificaram sua identidade funcional e passaram a usá-la para dar legitimidade a golpes. Já há confirmação de casos com seu documento em cinco Estados: além do Rio Grande do Sul, há vítimas de Santa Catarina, Paraná, Mato Grosso e Pernambuco. Segundo o policial, que pediu para ter o nome preservado, tornou-se rotina atender de duas a três ligações por dia em seu celular e do outro lado da linha havia colegas da polícia avisando sobre o documento dele ter sido usado em um golpe. Também o procuram vítimas que, de alguma maneira, conseguiram seu número e ligam para verificar a veracidade da história. Em outros casos, há quem ligue cobrando-o por achar que ele está envolvido nas trapaças. “É horrível. Jamais imaginava que passaria por isso. Sou uma pessoa que preserva muito a imagem. Minhas redes sociais são bloqueadas e evito aparecer em imagens ou dar entrevistar para imprensa. Esse documento falso circulando pode me atrapalhar até em uma investigação” lamenta o policial. Após a quantidade de vezes nas quais viu seu documento circulando em grupos de Whatsapp, ele mesmo fez investigação preliminar contra os criminosos. Fora as ocorrências de outros Estados, descobriu pelo menos 50 casos espalhados pelo Rio Grande do Sul. Ele informa que perdeu as contas, mas tem certeza ter sido procurado por colegas de Porto Alegre, Caxias do Sul, Viamão, Alvorada, Herval e Torres.

Como não cair nos golpes:

  • Evite iniciar conversas por meio de aplicativos de mensagens com perfis desconhecidos.
  • Não troque fotografias que possam ter conotação íntima, por meio de aplicativos, como WhatsApp ou Messenger.
  • Evite conversas por meio de aplicativos com prefixo telefônico desconhecido.
  • Não faça depósitos, transferências ou pagamentos para desconhecidos.
  • Se for vítima de algum golpe ou de tentativa de abordagem desse tipo, procure a polícia e registre ocorrência.

Ler a notícia na íntegra

Fonte: GZH

Fique ligado. Dicas do BrSafe para evitar essa modalidade de fraude:

Comentários

*