Chip adulterado: cartão de SP com limite de R$ 500 mil é apreendido em Curitiba

Sem Comentários

21/11/2017

A Delegacia de Estelionatos prendeu uma mulher que tentava aplicar um golpe que poderia lhe render R$ 500 mil. Conforme informações da Polícia Civil, a suspeita foi autuada em flagrante com um cartão de um empresário paulista, com o limite de R$ 500 mil, quando tentava cadastrar uma senha para usá-lo em uma agência no Centro de Curitiba na última sexta-feira (17). A informação foi divulgada pela polícia nesta terça-feira (21). Segundo a delegada adjunta da especializada, a desconfiança sobre a suspeita começou quando ela buscou ajuda de uma funcionária do banco para cadastrar a senha. Quando consultou o sistema do banco com os dados da mulher, a funcionária verificou que existiam 72 alertas de irregularidade em seu nome. Ela então segurou a ‘cliente’ no atendimento e acionou a polícia. Quando a equipe da Estelionatos chegou ao local, atestou que a identidade da mulher era falsa, apesar de alguns dados do documento serem verdadeiros. O cartão também era adulterado, já que os dados impressos eram da suspeita, mas o chip, que contém os dados bancários, era de outro cliente. A conta cadastrada estava em nome de um empresário paulista. A mulher foi levada para a delegacia e só com o início das investigações da especializada é que se descobriu que o golpe poderia render R$ 500 mil à suspeita, além de apontar que ela já teria passagens pela polícia por estelionato, no estado de São Paulo. Segundo a delegada, a suspeita relatou que teria acabado de chegar ao Paraná, oriunda do estado paulista, e que foi deixada no local para cadastrar a senha por um cúmplice. A Delegacia de Estelionatos segue com as investigações sobre o caso para determinar a identidade do cúmplice da tentativa de golpe e se a dupla não age há mais tempo no Paraná, contrariando o que foi declarado pela suspeita. Ela está presa e responderá pelos crimes de estelionato e porte e uso de documento falso.

Ler a notícia na íntegra

Fonte: Gazeta do Povo

Saiba mais sobre os crimes de fraude no site do BrSafe.

Comentários

*