Polícia investiga suspeitos de desviarem mais de R$ 11 milhões de clientes de escritório de advocacia no RS

Sem Comentários

21/06/2018

Na manhã desta quinta-feira (21), duas pessoas foram presas pela Polícia Civil do Rio Grande do Sul que realiza uma operação contra suspeitos de desviarem mais de R$ 11 milhões que deveriam ser pagos a clientes de um escritório de advocacia no estado. Mais de 30 pessoas são suspeitas de envolvimento no caso. Conforme as investigações, os valores que deveriam ser pagos aos clientes desse escritório eram desviados por uma funcionária, que foi presa em Cachoeirinha, em Porto Alegre (RS). Para isso, ela falsificava documentos do sistema da empresa, e repassava o dinheiro para familiares e amigos. Só ela, segundo a polícia, teria desviado R$ 5 milhões. Em sua casa foram encontrados cerca de R$ 35 mil em dinheiro, e foram apreendidos notebook, celulares, passaportes e diversos documentos que serão analisados pela Polícia Civil. O esquema foi descoberto pelo escritório de advocacia, que assim que descobriu o esquema, demitiu a funcionária e denunciou o caso à polícia. Um homem suspeito de atuar como laranja dentro do esquema foi preso por posse ilegal de arma e drogas. Nessa operação da polícia, são investigados os crimes de estelionato, falsidade ideológica, falsidade documental, uso de documento falso e lavagem de dinheiro, envolvendo associação criminosa.

Ler a notícia na íntegra

Fonte: G1

Saiba mais sobre os crimes de fraude no site do BrSafe.

Falso professor de Educação Física é detido em academia da Capital

Sem Comentários

21/06/2018

Na tarde desta quinta-feira (21), policiais civis da Decon (Delegacia do Consumidor) flagraram um homem que atuava ilegalmente como instrutor de uma academia no bairro Pioneiros, em Campo Grande (MS). Ele foi detido por falsificação de documentos e exercício ilegal da profissão. O rapaz detido não fez curso de Educação Física, requisito básico para atuar em academias. Segundo informações do vice-presidente do CREF/MS (Conselho Regional de Educação Física do Mato Grosso do Sul), o falso professor foi flagrado depois que o próprio Conselho estranhou assinaturas feitas em documentações encaminhadas por ele para a academia. Ele teria dito à empresa que era estudante do curso de Educação Física, no entanto, a universidade citada disse que desconhece o “aluno”. Outro instrutor da mesma academia também estava em situação irregular e vai ser autuado por falsificação de documentos. Ao contrário do primeiro, ele é estudante do curso de Educação Física, no entanto, foi comprovado que falsificou uma declaração em nome da universidade.

Ler a notícia na íntegra

Fonte: Midiamax

Saiba mais sobre os crimes de fraude no site do BrSafe.

Casal suspeito de vários crimes é preso com moto roubada e documento falso

Sem Comentários

21/06/2018

Na noite de quarta-feira (20), um homem de 19 anos e uma mulher de 33 anos foram presos pelos crimes de receptação de moto roubada, uso de documento falso e posse de entorpecentes. A dupla foi interceptada em um condomínio na zona Leste de Porto Velho (RO). Consta em boletim de ocorrência, que uma guarnição da Polícia Militar (PM), comandada pelo sargento, recebeu informações de que o suspeito estava no local oferecendo para venda de um aparelho celular roubado. A equipe policial foi ao local e o suspeito abordado, após abandonar uma moto de cor vermelha, fugiu a pé. Foi verificado que a moto era produto de roubo. Já em averiguação no apartamento onde mora, foi abordada a mulher de 33 anos. Foi encontrado no imóvel uma Carteira Nacional de Habilitação (CNH) falsa com a foto dela. Segundo a polícia, a suspeita teria confessado que tentou, ainda na quarta-feira, realizar o saque de um Abono Salarial, utilizando o documento falso. Ambos são suspeitos de realizarem vários crimes na cidade e comercializarem os produtos no condomínio. Ainda segundo a polícia, o casal agia a mando de presidiários.

Ler a notícia na íntegra

Fonte: Rondoniaovivo

Saiba mais sobre os crimes de fraude no site do BrSafe.

Golpista é presa por cobrar até US$ 2 mil para falsa vaga de emprego nos escombros do World Trade Center

Sem Comentários

21/06/2018

Nesta quarta-feira (20), a Polícia Civil do Distrito Federal (DF) prendeu uma mulher de 53 anos suspeita de cobrar até US$ 2 mil por uma falsa oportunidade de trabalho para remover entulhos dos escombros do World Trade Center, após o atentado de 11 de setembro de 2001, em Nova York (EUA). Ao todo, 21 jovens teriam sido enganados por ela. O golpe, que envolvia a promessa de um contrato de US$ 480 por dia, ocorreu em Caldas Novas (GO), ainda em 2001. Em março deste ano, a Justiça goiana determinou a prisão dela por tempo indeterminado. A mulher também era procurada em Minas Gerais por mais um golpe, e ficou foragida até esta quarta-feira (20), quando foi identificada por um outro esquema de fraude.

Outro golpe

Segundo a polícia do DF, a golpista enganou pelo menos cinco empresários ou pessoas do mercado financeiro se oferecendo para abrir “plataformas de monetização” de título financeiro, de pedra preciosa ou de ouro, em troca de uma cobrança de U$ 150 mil – equivalente a R$ 500 mil. As vítimas são principalmente do Paraná e de São Paulo. Ela prometia abrir plataformas para que os títulos pudessem ser negociados internacionalmente, com rentabilidade acima do mercado. O serviço existe, mas, na prática, não era realizado. Segundo a polícia, ela recebia a ajuda de um político federal. Para a delegada, a mulher conseguia convencer as vítimas por meio da conversa, mas não dominava a tecnologia do serviço que ofeceria. “Acho que sequer ela sabe abrir uma plataforma de monetização de verdade”, afirmou.

A mulher foi indiciada e vai responder por estelionato, podendo pegar até cinco anos de prisão.

Ler a notícia na íntegra

Fonte: G1

Saiba mais sobre os crimes de fraude no site do BrSafe.

Homem é preso por estelionato no Centro de Maricá

Sem Comentários

21/06/2018

Nesta última terça-feira (19), Um homem foi preso, acusado de estelionato, no centro de Maricá (RJ). De acordo com a Polícia Militar, o homem foi até um estabelecimento comercial, na segunda-feira (18), e tentou realizar uma compra no cartão de crédito, porém a operação não foi aprovada. No dia seguinte, o homem voltou ao local e o proprietário da loja desconfiou da atitude, entrando em contato com a PM, que foi até o local e levou o suspeito para a 82ª DP (Maricá). Na unidade, os policiais identificaram que o homem estava utilizando um cartão de crédito clonado, além de documentos falsos.

Ler a notícia na íntegra

Fonte: O São Gonçalo

Saiba mais sobre os crimes de fraude no site do BrSafe.

Preso suspeito de sacar R$ 150 mil com documentos falsos

Sem Comentários

21/06/2018

Nesta quarta-feira (20), policiais civis de Leopoldina e Governador Valadares, ambos no estado de Minas Gerais, prenderam um homem de 38 anos suspeito de estelionato em sua residência. A prisão ocorreu após cumprimento de mandados de busca e apreensão e de prisão expedidos pela Justiça. De acordo com a Polícia Civil, o homem é suspeito de ter realizado o saque de um precatório no valor aproximado de R$ 150 mil, no dia 30 de maio, em Leopoldina. Ele teria utilizado documentos falsos durante o saque do título da Fazenda Pública. Durante a ação, foram apreendidos dois celulares, dois pendrives e um tablet. A Polícia Civil informou que as investigações prosseguem com o objetivo de identificar outros membros da possível organização criminosa.

Ler a notícia na íntegra

Fonte: Guia Muriaé

Saiba mais sobre os crimes de fraude no site do BrSafe.

 

Operação da Polícia Civil cumpre mandados de prisão a servidores do Detran em Santarém

Sem Comentários

20/06/2018

Foi deflagrada, no início da manhã desta quarta-feira (20), uma operação da Polícia Civil em Santarém (PA), para cumprimento de mandados de prisão de servidores do Detran-PA (Departamento Estadual de Trânsito do Pará), ex-servidores e despachantes que estariam vendendo CNHs e fazendo apreensão de veículos. A operação também faz busca e apreensão.

Segundo a polícia, a denúncia sobre o esquema criminoso foi feita pelo próprio Detran, no ano de 2015, quando as investigações foram iniciadas pela Polícia Civil. Durante o inquérito, a polícia constatou indícios de infrações penais como associação criminosa, falsidade ideológica, inserção de dados falsos em sistema de informação, concussão (obtenção de vantagem indevida por servidor público), corrupção passiva e corrupção ativa, advocacia administrativa, dentre outras ilegalidades. As investigações foram feitas pelo Núcleo de Investigação (NAI) da superintendência regional de polícia do Baixo-Amazonas.

Ler a notícia na íntegra

Fonte: G1

Saiba mais sobre os crimes de fraude no site do BrSafe.

Anterior