Dupla é presa por golpe contra idosos em caixas eletrônicos de Limeira, SP

Sem Comentários

22/09/2017

Dois homens, de 26 e 37 anos, foram presos nesta sexta-feira (22) em Limeira (SP) suspeitos de aplicar golpes contra idosos em caixas eletrônicos 24h de supermercados. Segundo a Guarda Civil Municipal, as vítimas tinham os cartões de crédito furtados enquanto usavam os equipamentos. Em um caso, o prejuízo chegou a R$ 11 mil, de acordo com a corporação. A detenção ocorreu após os funcionários de um supermercado em que a dupla agia suspeitar da permanência deles no local. A guarda foi acionada, mas quando chegou no centro de compras os dois homens tinham deixado o local. Pelas câmeras, a corporação conseguiu identificar os suspeitos e o carro em que estavam. A dupla foi detida em uma lanchonete. Eles negaram o crime, mas foram encaminhados para a delegacia e acabaram reconhecidos por três vítimas. Dentre elas, uma afirma que perdeu R$ 11 mil no golpe. Outra, um idoso, R$ 1,8 mil. A terceira pessoa não teve prejuízo, já que conseguiu evitar a aproximação deles.

O golpe

Conforme a Guarda Civil Municipal, um dos homens se aproximava do caixa usado pela vítima e pegava um bilhete do chão, deixado por ele antes. O papel, com as mesmas características das emitidas por caixas eletrônicos, dizia que era preciso atualizar o chip do cartão sob pena de multa de R$ 49,90. O criminoso informava à vítima que o bilhete foi emitido pela máquina e que ela precisava fazer a atualização para não ser multada. Enquanto eles conversavam sobre o fato e com a vítima desconcentrada, um dos homens trocava o cartão no caixa por um falso. Antes de pegar o cartão, eles se certificavam de anotar a senha da vítima. Um idoso que caiu no golpe disse que perdeu R$ 1,8 mil em compras realizadas em um hipermercado de Campinas. O homem informou ainda que só percebeu que haviam trocado o cartão dele no dia seguinte, quando foi realizar outra compra. Os suspeitos são de São Paulo e têm passagem na polícia por furto. Eles foram apresentados na Central de Flagrantes de Limeira e indiciados por estelionato. O carro em que estavam também foi recolhido.

Ler a notícia na íntegra

Fonte: G1

Saiba mais sobre os crimes de fraude no site do BrSafe.

Idosa é presa em flagrante por falsidade ideológica

Sem Comentários

22/09/2017

Na noite desta quinta-feira (21), na cidade de Arapiraca (AL), uma idosa foi presa em flagrante pelo uso de documento falso e corrupção ativa. A prisão foi realizada pelo 3º Batalhão de Polícia Militar (BPM) após serem notificados por um Banco, localizado no Centro, que uma mulher estava usando uma falsa identidade. Conforme informações do relatório da Polícia, E.M.P., de 65 anos e residente no estado de Pernambuco, estava na posse de um cartão de crédito, uma Carteira de Trabalho e Previdência Social (CTPS) e um CPF em nome de M.L.S. A gerência do Banco ao notar que era um golpe acionou a polícia. A mulher ainda tentou subornar os militares, oferecendo R$1.000 para ser liberada. Ela foi conduzida para a Delegacia Central de Polícia Civil de Arapiraca, onde foi autuado em flagrante por uso de documento falso e corrupção ativa.

Ler a notícia na íntegra

Fonte: Cada Minuto

Saiba mais sobre os crimes de fraude no site do BrSafe.

Médico cobra R$ 100 e dá falso atestado a paciente em São José dos Campos

Sem Comentários

21/09/2017

Um médico que atua em São José dos Campos foi flagrado emitindo um atestado falso. O documento garantindo o afastamento do trabalho foi dado para um paciente que não estava doente. Ele pagou R$ 100 pela consulta e gravou a ação. O Conselho Regional de Medicina (CRM) instaurou uma sindicância para apurar o caso, e se o médico for culpado, ele pode ser punido com uma advertência, suspensão ou até ter o registro cassado. Ele nega que tenha praticado o crime. A suspeita surgiu quando a diretora de uma empreiteira da cidade percebeu que quatro funcionários apresentaram o atestado do mesmo médico, sendo que um dos empregados chegou a entregar três atestados no mesmo mês. “Começaram a vir muitos atestados do mesmo médico, nas mesmas datas, só com números de identificação diferentes. Então, a gente começou a ficar atento nisso. A gente mandou um funcionário de nossa confiança e ele conseguiu comprar com a maior facilidade”, afirmou a mulher que não quis se identificar. Em um trecho da gravação do atendimento, que durou sete minutos, o paciente pede um atestado sem estar doente, e o médico afirma que o preço já está incluso no valor da consulta, que é de R$ 100. No atestado consta como doença infecção respiratória – diagnóstico falso discutido entre paciente e médico antes da emissão do documento. O médico também deu uma receita para o paciente comprar antibióticos. Durante a consulta, o paciente não foi examinado e o paciente chegou a sugerir que no atestado constasse um diagnóstico de dor na coluna.

Defesa

O homem trabalhou 32 anos como médico concursado da prefeitura, até se aposentar. Ao ser procurado em seu consultório na região central da cidade, ele negou a venda de atestados e disse que pode ter sido vítima de uma ‘armadilha’. “É mentira, absurdo”, disse, ao ser questionado. “R$ 100 é o preço normal da minha consulta, seu eu fosse vender atestado não venderia por R$ 100 porque isso não modifica minha vida”, disse. “Como cobro barato a consulta, porque sou um médico de índole socialista, as pessoas me procuram e eu ajudo as pessoas, mas não vendo atestado. O trabalhador brasileiro é uma vítima e as pessoas que exploram os trabalhadores brasileiros não querem ver ninguém se posicionando a favor dos trabalhadores”, disse. O médico ainda desclassificou o vídeo que mostra a ação. “Se existe esse vídeo, provavelmente é uma armadilha feita por alguém que esteja preocupado em me desmoralizar para que eu pare de ser solidário com os pobres e oprimidos”, afirmou.

Ler a notícia na íntegra

Fonte: G1

Saiba mais sobre os crimes de fraude no site do BrSafe.

Manicure é suspeita de fraude que desviou R$ 1 milhão de banco na BA

Sem Comentários

20/09/2017

O envolvimento de uma manicure numa fraude de quase R$ 1 milhão em um banco, revelada nesta quarta-feira (20) pela Polícia Federal, deixou perplexos os 9 mil habitantes de Santanópolis, cidade do sertão baiano, vizinha a Feira de Santana. Moradores da cidade revelaram estarem muito surpresos com o que ficaram sabendo logo pela manhã, quando uma viatura da PF foi à cidade buscar a mulher de 38 anos, cujo nome a não foi divulgado – e os moradores também preferem não revelar. Alvo da operação ‘Inimigo Oculto’, a manicure é uma das 30 pessoas conduzidas coercitivamente (de maneira forçada) para prestar depoimento, devido ao envolvimento na fraude. “Ela é esposa de um microempresário que tem boas condições financeiras para o padrão da cidade. É bem conhecida, então isso deixou todo mundo surpreso porque ninguém imaginava que pudesse ocorrer algo assim”, explica uma atendente de farmácia, sob anonimato. “Não a conheço pessoalmente, mas de uma forma ou de outra a gente acaba sabendo quem é por ser uma cidade pequena. É um fato lamentável para a nossa cidade”, diz um comerciante, de 52 anos. Por se tratar de uma condução coercitiva, a manicure foi liberada logo após ter prestado depoimento na sede da Polícia Federal, em Salvador. A operação foi realizada por policiais de Brasília, onde se concentram as investigações. Além da Bahia, o estado do Pará também foi alvo da operação, que cumpriu três mandados de prisão temporária e três mandados de busca e apreensão. A Justiça Federal também determinou o bloqueio da quantia aproximada de R$ 950 mil nas contas dos investigados. As ordens judiciais foram cumpridas principalmente em Brasília e no entorno. As três investigadas que são alvos dos mandados de prisão são ex-prestadoras de serviço do banco e teriam desviado os valores graças à concessão fraudulenta de 46 empréstimos pessoais, em sua maioria, destinados a familiares e amigos. Para viabilizar os empréstimos, elas utilizavam senhas pertencentes a empregados do banco, o que possibilitava e inserir dados no sistema, incluindo-se rendas fictícias, sem a apresentação de qualquer documento comprobatório. Quando os empréstimos eram creditados nas contas indicadas, os investigados efetuavam diversos saques e transferências, evitando que a instituição, após identificar a fraude, bloqueasse os valores. Os investigados serão indiciados por estelionato qualificado, falsificação de documento público, associação criminosa e lavagem de dinheiro.

Ler a notícia na íntegra

Fonte: Correio24Horas

Saiba mais sobre os crimes de fraude no site do BrSafe.

Polícia Civil desmonta esquema de pirâmide financeira

Sem Comentários

21/09/2017

Em operação que combate a uma pirâmide financeira, a Polícia Civil cumpriu na manhã desta quinta-feira (21) mandados judiciais em uma mansão no Setor Jaó, em Goiânia. Denominada de Patrik, a ação é realizada pela polícia do Distrito Federal. No local em questão na capital goiana funciona uma empresa investigada pela fraude. Foram apreendidos documentos e computadores. Segundo as investigações, a organização criminosa movimentou R$250 milhões a partir de investimentos de 40 mil pessoas em uma moeda virtual falsa, a Kriptacoin. A polícia informou que os suspeitos devem ser indiciados por estelionato, organização criminosa, lavagem de dinheiro e uso de documento falso.

Golpe
O esquema começou a ser articulado no final do ano passado e se consolidou no Distrito Federal em janeiro de 2017. Os integrantes da organização se passavam por executivos e prometiam altos rendimentos com o negócio, com ganho de 1% ao dia sobre uma moeda virtual falsa – o resgate do saldo só poderia ser feito após um ano. Ao fingir legalidade do negócio, os golpistas marcavam reuniões, faziam anúncios em outdoors e propagandas na internet e na televisão e tiravam fotos com cantores famosos. Quanto mais investidores fossem recrutados para participar do negócio, a promessa de ganhos aumentava, com bônus de 10% por pessoa cooptada. Assim, o lucro crescia proporcionalmente à quantidade de aplicações feitas na cadeia, mas era tudo um golpe. A polícia informou que uma das vítimas disse que aplicou quase R$ 200 mil sem retorno e, ao tentar resgatar os valores aplicados, foi ameaçada pelos “executivos” da falsa empresa. As apurações também revelaram que o esquema funcionava com divisão de tarefas e que contava com falsificadores de documentos. Além disso, as três empresas que vendiam o serviço, alvo da operação estão, em nomes de “laranjas”, cujo o patrimônio declarado não condiz com as movimentações financeiras. A polícia descobriu, ainda, uma lista com cerca de 20 nomes falsos que eram utilizados pela quadrilha. As aplicações eram feitas pela internet por meio de uma plataforma digital, mas os depósitos eram feitos em contas correntes.

Ler a notícia na íntegra

Fonte: Diário do Estado

Saiba mais sobre os crimes de fraude no site do BrSafe.

Homem é preso com carro clonado na Via Dutra, em Resende, RJ

Sem Comentários

20/09/2017

Na tarde de terça-feira (19) na Via Dutra, em Engenheiro Passos, distrito de Resende (RJ), um homem foi preso com um carro clonado. De acordo com a Polícia Rodoviária Federal (PRF), durante a abordagem foi verificado que o Certificado de Registro e Licenciamento de Veículo (CRLV) possuía indícios de falsificação. Segundo a PRF, durante a inspeção foi constatado que o chassi estava adulterado e que o carro tinha registro de roubo/furto e usava placas de um veículo idêntico. A PRF informou que o condutor, de 49 anos, foi encaminhado à 89ª Delegacia de Polícia (Resende), onde foi autuado por uso de documento falso e receptação.

Ler a notícia na íntegra

Fonte: G1

Saiba mais sobre os crimes de fraude no site do BrSafe.

Mulher é vítima de estelionato em Japaraíba

Sem Comentários

21/09/2017

Uma mulher compareceu ao Quartel da Polícia Militar de Japaraíba (MG), nesta quarta-feira (20), alegando que no dia anterior notou que seu cartão bancário havia sido trocado por outro cartão desconhecido. A vítima informou também que seu pai foi vítima de estelionato do mesmo jeito em 24 de agosto deste ano. A vítima foi até sua agência bancária, retirou todo o dinheiro que estava em sua conta e encerrou suas atividades no banco. A princípio não houve nenhum prejuízo financeiro oriundo da ação delituosa.

Ler a notícia na íntegra

Fonte: Jornal Cidade

Saiba mais sobre os crimes de fraude no site do BrSafe.

Anterior