Polícia Federal prende 17 pessoas em operação contra fraudes no seguro-desemprego no PA e MA

Sem Comentários

22/02/2018

Na manhã desta quinta-feira (22), a Polícia Federal prendeu 17 pessoas durante uma operação para combater fraudes no seguro-desemprego no Pará e no Maranhão. No total, foram expedidos 19 mandados de prisão e 27 de busca e apreensão nas cidades de Redenção e Conceição do Araguaia, no Pará, e em São Luís e São José de Ribamar, no Maranhão. Somente no Pará foram 12 as prisões. Duas pessoas continuam foragidas. O objetivo da operação, batizada de Seguro Fake, é desarticular um grupo criminoso especializado em fraudes no seguro-desemprego. Segundo as investigações, os dois estados apresentam alta incidência desta modalidade de fraude. Há buscas no Ministério do Trabalho em Redenção. Segundo a PF, os bandidos enganavam trabalhadores de baixa renda dizendo que eles tinham direito a benefícios como seguro-desemprego. Os criminosos pegavam os dados pessoais das vítimas e davam entrada no benefício. Quando a quadrilha sacava o dinheiro, eles ficavam com a maior parte dele. Ainda de acordo com a PF, empresas fantasmas foram criadas para criar vínculos empregatícios fictícios para conseguir dar entrada no seguro. “Conseguimos através de diligências de campo e todos os meios disponíveis da Polícia Federal em trabalho conjunto com o Ministério do Trabalho e Emprego. Conseguimos identificar milhares de requerimentos de seguro-desemprego fraudulentos inseridos no sistema, por uma parte dessas pessoas que foram presas durante a operação, que são agentes credenciados do Sine e do Ministério do Trabalho e Emprego que burlaram o sistema. Eles inseriram dados falsos e em muitos dos casos disponibilizaram saques fraudulentos desses requerimentos de seguro-desemprego. Muitos casos foram bloqueados pelo sistema do Ministério do Trabalho e Emprego, evitando que o prejuízo ao erário fosse potencializado”, detalhou o delegado responsável pela operação da PF. No Pará foram presos um servidor no MTE de Redenção e quatro funcionários da agência do Sine em Conceição do Araguaia. Em São Luís foram presos quatro servidores do Sine.

Equipamentos foram apreendidos nas primeiras horas da operação no Pará. (Foto: Divulgação/ Polícia Federal)

Tentativas de fraude

Em um dia, em apenas 10 minutos, os policiais flagraram 42 tentativas de fraude em uma única agência bancária na cidade de Redenção. Os investigados responderão por estelionato qualificado, inserção de dados falsos em sistemas de informações e associação criminosa, com penas que podem ultrapassar 20 anos de reclusão. De acordo com os técnicos do Ministério do Trabalho, desde a implantação do sistema antifraude desenvolvido em 2016, o mecanismo já identificou e bloqueou mais de 57 mil tentativas de fraudes no país, conseguindo evitar desvios de aproximadamente R$ 800 milhões para os cofres públicos.

Homem é detido ao se passar por funcionário do Procon e aplicar golpe

Sem Comentários

22/02/2018

Nesta quinta-feira (22), um homem foi detido por se passar por um funcionário do Procon e vender o Código de Defesa do Consumidor para comerciantes de São José do Rio Preto (SP). Conforme informações da polícia, uma das vítimas percebeu o golpe depois de comprar a versão “atualizada” do código, acionou a polícia e pediu para que o suspeito voltasse à loja. Ele foi surpreendido pela equipe da Polícia Militar e foram apreendidos um crachá falso, cartões de visita, o Código de Defesa do Consumidor e um recibo. O homem foi encaminhado à delegacia onde deve ser instaurado um inquérito.

Ler a notícia na íntegra

Fonte: G1

Saiba mais sobre os crimes de fraude no site do BrSafe.

Jovem cai em golpe e perde quase R$ 700 ao tentar fazer empréstimo

Sem Comentários

22/02/2018

Um jovem de 20 anos foi vítima de um golpe e perdeu R$ 682 exigidos em dois depósitos ao tentar contratar um empréstimo de R$ 10 mil em um site. Apesar da vítima ser de Ribeirão Preto, o empréstimo teria sido feito no bairro de São Mateus, em São Paulo. Pelo valor a ser emprestado, foi exigido que o jovem fizesse dois depósitos, sendo um de R$ 380 para taxa de fiador e outro de R$ 302 para o IOF (Imposto Sobre Operações Financeiras). O empréstimo de R$ 10 mil sairia por 48 parcelas de R$ 384,45 ou R$ 18.453,60. Ao efetuar os depósitos, a vítima relata que não mais conseguiu contato com a pessoa que o havia atendido. Quando foi verificar o site, descobriu que o nome da empresa utilizada pela golpista, na verdade, se tratava de uma consultoria que não realiza empréstimos. O Boletim de Ocorrência foi registrado como estelionato consumado.

Ler a notícia na íntegra

Fonte: A Cidade ON

Saiba mais sobre os crimes de fraude no site do BrSafe.

Por que o Brasil é um dos líderes mundiais da fraude on-line?

Sem Comentários

23/02/2018

O Brasil é um dos países com o maior índice de fraudes na internet no mundo. Estudos revelam que 18% da população nacional já sofreu roubo de informações pessoais em apenas um trimestre de 2017; rankings que apontam o nosso país como o mais vulnerável para vazamento de dados; que o prejuízo com golpes virtuais no último ano foi de quase R$ 70 bilhões. O México rivaliza com o Brasil nessa questão de tentativas de fraude no e-commerce, em compras com cartões clonados que posteriormente se transformam em chargeback (cancelamento de compra online) para o lojista. Mas por que Brasil e México? E não Estados Unidos ou Rússia? O principal fator é justamente que são dois países que têm uma economia forte, as duas maiores da América Latina, e também uma disparidade social muito grande. Essas diferenças fazem com que as pessoas busquem fontes de renda mais inusitadas. A criminalidade no Brasil e no México não é alta só no ambiente virtual, mas a diversificação do crime também vai cair no ambiente online. Além disso, outro ponto crucial para termos os e-commerces dos dois países liderando os rankings mundiais de fraude, é justamente a evolução do sistema de pagamentos em ambos. Neles, os cartões de crédito são emitidos obrigatoriamente com o chip EMV, o que reduz de maneira massiva a incidência de clonagem “física” de cartão, uma vez que é o chip quem realiza a transmissão de informações entre cartão, maquininha e banco, mediante senha e com um código único de transação. Antigamente, a tarja magnética oferecia uma proteção muito falha aos plásticos e “facilitava” consideravelmente a vida de estelionatários. Diante da dificuldade em clonar fisicamente cartões chipados, a fraude de cartão nestes dois países migrou para o cenário on-line, onde não é necessário o uso de senha pessoal para a validação de uma transação – apenas número do cartão, CVV e data de validade. Ou seja: foi justamente a modernização da cadeia de pagamentos por cartão que “empurrou” os fraudadores para o e-commerce.

Nos Estados Unidos, pasmem, o chip EMV ainda é uma tecnologia inicial e que causa muita divergência naquele mercado. Até outubro de 2015, por exemplo, as lojas não tinham a obrigatoriedade de aceitar cartões chipados. Isso abria uma margem muito grande para criminosos, que realizavam compras presenciais com cartões clonados e já saíam do estabelecimento com a mercadoria em mãos – nem tinham que esperar pelo frete! Aos poucos, porém, estamos vendo esta movimentação no cenário de pagamentos nos Estados Unidos. A fraude online vem aumentando muito por lá ano após ano, e provavelmente a nação norte-americana, com um e-commerce gigantesco em comparação aos mercados de Brasil e México, tomará o posto de país líder em golpes no comércio eletrônico.

A fraude faz parte do dia a dia de quem vende online. Assim que você tiver o risco do negócio assimilado fica muito mais fácil lidar com ele: você deixará de lutar contra o desconhecido e poderá combater este problema de uma maneira muito mais precisa. Já sabemos que sonhar com a “fraude zero” é uma armadilha para o lojista, que pode acabar abrindo mão de uma parcela grande de vendas boas pelo simples medo de não sofrer um ou outro chargeback. Mas, quem vence o jogo contra a fraude não é quem tem a taxa de fraude igual a zero, mas quem consegue realizar o máximo de vendas diante do menor risco possível. Sim: o e-commerce brasileiro está inserido em um cenário muito problemático, e o índice de tentativas de fraude de cartão é altíssimo, de 3,03%. Porém, só em 2017, as vendas online geraram um faturamento de quase R$ 60 bilhões, com 203 milhões de pedidos – dos quais mais de 70% foram pagos no cartão de crédito. Lojista, não deixe que o medo da fraude o paralise. Há diversas tecnologias antifraude no mercado, que farão de tudo para manter a saúde financeira do seu e-commerce!

Ler a notícia na íntegra

Fonte: E-Commerce News

Fique ligado. Dicas do BrSafe para evitar essa modalidade de fraude.

Mulher é vítima de golpe e perde mais de R$ 3 mil em Votuporanga

Sem Comentários

23/02/2018

Desde o mês de outubro de 2017, uma mulher, de 46 anos, percebeu um problema em sua linha de celular, pois estava recebendo SMS de transações bancárias de sua conta. “Ao procurar a agência bancária, foi informada que foram feitas várias transferências de sua poupança para R.H.F. e, desde então, começaram a aparecer também compras realizadas em lojas de eletrônicos, os quais não são de sua responsabilidade”. consta no Boletim de Ocorrência. A moradora entrou em contato com o seu banco, que fez o procedimento de cancelamento de senhas e cartões. Mas, mesmo assim, a loja de eletrônicos não tem comprovantes de que existe compras em seu nome, apenas recebe mensagens em seu celular de que as compras estão sendo realizadas. Ela informou à Polícia Civil que não consegue contato eficaz com a loja para a solução do problema. O caso será investigado.

Ler a notícia na íntegra

Fonte: A Cidade

Saiba mais sobre os crimes de fraude no site do BrSafe.

Casal é preso ao tentar vender carro roubado usando documento falso em MT

Sem Comentários

23/02/2018

Na tarde de quarta-feira (21), um casal foi preso pela Delegacia Especializada de Roubos e Furtos (Derf), de Várzea Grande, da Polícia Judiciária Civil, quando tentava finalizar a venda de um veículo roubado para uma loja de garagem. O casal, de 66 e 34 anos, ambos com passagem pela polícia, foram autuados em flagrante pelos crimes de uso de documento falso, receptação, adulteração de sinais identificadores de veículos, associação criminosa e estelionato. Os dois foram surpreendidos dentro do Cartório do 7º Ofício de Cuiabá. A dupla estava na posse do automóvel, Ford Fusion, branco, roubado de um lava jato, no bairro Jardim Imperial, no dia 1º de fevereiro. Na ocasião do assalto ao lava jato foram roubados dois veículos, sendo o Ford Fusion e uma caminhonete Amarok, que foi recuperada no mesmo dia da ação criminosa, 1 de fevereiro. Os dois suspeitos estavam tentando vender para um garagista o automóvel, que já estava com os sinais identificadores adulterados. No momento da abordagem, o suspeito se apresentou com outro nome e também entregou uma Carteira Nacional de Habilitação (CNH) contento sua fotografia, porém, falsificada. Questionado sobre os fatos, o suspeito alegou ser usuário de drogas e frequentador da praca do Pedra 90, local onde recebeu proposta de duas pessoas, para assinar documento de um veículo, em troca ganharia R$ 2 mil reais e mais entorpecente para consumo. Após aceitar a empreitada, os rapazes compraram roupas e sapatos novos para o suspeito que também foi levado até um salão de beleza para corte do cabelo e da barba, e, posteriormente, tirado fotografias. Na segunda-feira (19), o casal estiveram no estabelecimento comercial para efetuar a venda do veículo. No entanto, não tinham o documento CRV do carro, que foi exigido pelo proprietário da garagem. Quando retornaram para concretizar a venda acabaram presos em flagrante.A suspeita possui passagem por crimes patrimoniais e estelionato. Já o suspeito por tráfico de drogas. Os dois foram conduzidos à Delegacia, interrogados, autuados e apresentados para audiência de custódia.

Ler a notícia na íntegra

Fonte: Cenário MT

Saiba mais sobre os crimes de fraude no site do BrSafe.

Locadora de Fortaleza denuncia caso de golpistas que não devolvem carros alugados

Sem Comentários

22/02/2018

Em Fortaleza, uma locadora está sofrendo com golpe de documentos falsos. O estabelecimento alugou dois carros, que não foram devolvidos pelos locatários no prazo estipulado no contrato. Três pessoas, dois homens e uma mulher, estão sendo procurados. O gerente do local diz que ouviu relatos de outras vítimas do mesmo crime. Ele espera que a população possa ajudar com informações. Usando comprovantes de residência falsos e carteira de habilitação, F.D.B., M..P. e J.A.L. alugaram dois carros, um Chevrolet Cobalt e um Onix, em uma locadora ao lado do aeroporto. O aluguel é feito no próprio aeroporto e o contrato é assinado na locadora, onde também é feito um checklist nos documentos e provam a idoneidade e têm acesso aos veículos. “Eles fazem o contrato no aeroporto normalmente, com os documentos que são exigidos. Aí, vence o prazo da devolução, a gente começa a procurar, ligar, mas ficaram protelando, nós vamos entregar, vamos entregar, aí vão passando os dias, chega um ponto em que a gente já sabe que é golpe”, disse o gerente do local. Com o sumiço, os funcionários foram aos endereços indicados nos documentos, um na Barra do Ceará, em Fortaleza, e outro em Caucaia, no bairro Tabapuá, mas foram informados por vizinhos que aquelas pessoas não residiam no local há bastante tempo. O gerente do local acredita que os veículos possam estar por Aracoiaba e Sobral, região norte do estado, já que diversas multas vêm chegando daquela região. Ele espera que a população possa informar o paradeiro dos veículos e das três pessoas. “Dão golpe em endereço. Eles fazem tudo isso para ter endereço fixo e depois saem. E os carros ficam sendo usados para se locomoverem e aplicarem golpes. Nós temos quase certeza que um roda naquela área pela reincidência de multa. Tem a marca da locadora, telefone, tudo… A gente pede que ligue e dê alguma informação”, disse o gerente.

Ler a notícia na íntegra

Fonte: Tribuna do Ceará

Saiba mais sobre os crimes de fraude no site do BrSafe.

Anterior