Quadrilha desviou R$ 30 milhões de idosos com golpe de seguro de vida fraudulento

Sem Comentários

21/08/2019

A Polícia Civil realizou, na manhã desta quinta-feira (15), uma operação contra suspeitos de aplicar golpes a idosos que causaram prejuízos de cerca de R$ 30 milhões. Cerca de 150 policiais civis cumprem 105 mandados de prisão. Um integrante do grupo fazia contato telefônico com as vítimas, se apresentando como representante de banco ou da previdência. Com isso, ele pegava mais informações, alegando a necessidade de atualização cadastral. Mais tarde, os suspeitos iam até as casas dos aposentados para pegar assinaturas em diversos documentos que eram usados para a contratação de seguros de vida falsos, descontados diretamente das aposentadorias. As vítimas eram, em maioria, servidores públicos aposentados.

Ler a notícia na íntegra

Fonte: BAND NEWS FM Curitiba

Saiba mais sobre os crimes de fraude no site do BrSafe:

Preso acusado de aplicar golpes em compra e venda de veículos

Sem Comentários

21/08/2019

Foi preso nesta semana em Goiás, um homem acusado de praticar o golpe do falso depósito. Segundo a polícia, o homem simulava a transferência de dinheiro para furtar carros e motos anunciados em um aplicativo de vendas. “Primeiro ele simulava uma transação bancária pela internet, ‘printava’ a página, mostrava para o vendedor, e após alegar que o dinheiro demoraria de 20 a 30 minutos para cair na conta, afirmava que estava com pressa, pedia para ir embora no carro ou moto e dizia que depois voltaria para buscar o documento de transferência”, contou o delegado. De maio até agora, sete vítimas procuraram a delegacia e relataram terem sido vítimas do acusado.

Ler a notícia na íntegra

Fonte: Mais Goiás

Saiba mais sobre os crimes de fraude no site do BrSafe.

Homem tenta comprar moto com documento falso e acaba preso pela Polícia Civil

Sem Comentários

20/08/2019

Nesta quarta-feira (14) em Campo Grande (MS) no momento em que tentava comprar uma moto com documentos falsos, um homem de 25 anos foi preso em flagrante, em uma concessionária pelos Investigadores do Grupo de Operações e Investigações (GOI) da Polícia Civil de Mato Grosso do Sul. Há dias os policiais vinham investigando um grupo suspeito de usar documentos falsos para adquirir veículos em Campo Grande. Os investigadores prenderam o acusado momentos antes dele receber as chaves da moto, que foi comprada com os mesmos documentos falsos apresentados aos policiais durante a abordagem. Em revista pessoal ao acusado, os investigadores do GOI encontraram mais uma carteira de identidade falsa, em nome de outra pessoa. Durante a entrevista, o acusado acabou confessando aos policiais seu verdadeiro nome e que foi contratado por um desconhecido, por R$ 500, para comprar a moto com documento falso. O homem foi preso e encaminhado à Delegacia de Pronto Atendimento Comunitário do Centro (Depac-Centro), onde foi autuado em flagrante por uso de documento falso e estelionato, permanecendo à disposição da Justiça.

Ler a notícia na íntegra

Fonte: PC-MS

Saiba mais sobre os crimes de fraude no site do BrSafe.

Estelionatários falsificam documento de policial civil para aplicar golpes dos nudes e do falso depósito

Sem Comentários

19/08/2019

Há pouco mais de um ano, um policial civil de 36 anos, foi obrigado a trocar de lado do balcão na delegacia: de investigador de crimes violentos e com muito dinheiro envolvido em um dos principais departamentos da corporação, tornou-se alvo de estelionatários em vários pontos do Brasil. Criminosos falsificaram sua identidade funcional e passaram a usá-la para dar legitimidade a golpes. Já há confirmação de casos com seu documento em cinco Estados: além do Rio Grande do Sul, há vítimas de Santa Catarina, Paraná, Mato Grosso e Pernambuco. Segundo o policial, que pediu para ter o nome preservado, tornou-se rotina atender de duas a três ligações por dia em seu celular e do outro lado da linha havia colegas da polícia avisando sobre o documento dele ter sido usado em um golpe. Também o procuram vítimas que, de alguma maneira, conseguiram seu número e ligam para verificar a veracidade da história. Em outros casos, há quem ligue cobrando-o por achar que ele está envolvido nas trapaças. “É horrível. Jamais imaginava que passaria por isso. Sou uma pessoa que preserva muito a imagem. Minhas redes sociais são bloqueadas e evito aparecer em imagens ou dar entrevistar para imprensa. Esse documento falso circulando pode me atrapalhar até em uma investigação” lamenta o policial. Após a quantidade de vezes nas quais viu seu documento circulando em grupos de Whatsapp, ele mesmo fez investigação preliminar contra os criminosos. Fora as ocorrências de outros Estados, descobriu pelo menos 50 casos espalhados pelo Rio Grande do Sul. Ele informa que perdeu as contas, mas tem certeza ter sido procurado por colegas de Porto Alegre, Caxias do Sul, Viamão, Alvorada, Herval e Torres.

Como não cair nos golpes:

  • Evite iniciar conversas por meio de aplicativos de mensagens com perfis desconhecidos.
  • Não troque fotografias que possam ter conotação íntima, por meio de aplicativos, como WhatsApp ou Messenger.
  • Evite conversas por meio de aplicativos com prefixo telefônico desconhecido.
  • Não faça depósitos, transferências ou pagamentos para desconhecidos.
  • Se for vítima de algum golpe ou de tentativa de abordagem desse tipo, procure a polícia e registre ocorrência.

Ler a notícia na íntegra

Fonte: GZH

Fique ligado. Dicas do BrSafe para evitar essa modalidade de fraude:

Fraudes no Telegram usam dados de milhões de brasileiros para vender dados de cartões de crédito

Sem Comentários

16/08/2019

Comunidades brasileiras no Telegram ligadas a fraudes chegam a reunir mais de 20 mil pessoas, numa espécie de “feira do rolo” gigante, quase uma dark web acessível a qualquer um. Um ambiente onde vendedores e compradores se escondem sob o anonimato oferecido pelo aplicativo de troca de mensagens e, sem a necessidade de conhecimento técnico avançado, negociam informações pessoais, como nome da mãe, endereço e data de nascimento (além do CPF), cadastros falsos e cartões de crédito de milhões de brasileiros, que geralmente não sabem que são vítimas de fraudes. Especialistas em cibersegurança, acadêmicos e até mesmo policiais experientes afirmam que, embora não exista anonimato absoluto na internet, há uma série de barreiras técnicas, jurídicas e logísticas que tornam quase inviável identificar e prender tantas pessoas envolvidas com crimes nesse tipo de aplicativo de mensagens. Eles ainda ressaltam que mesmo quem não acessa a internet ou faz compras virtuais está vulnerável a essas fraudes. Um exemplo disso é que uma das bases de dados vendidas pelos hackers são as informações contidas no CadSUS, onde estão informações como endereço, data de nascimento e telefone de todas as pessoas cadastradas no Serviço Único de Saúde nacional. Essas informações depois são usadas, por exemplo, na falsificação de cadastros em lojas virtuais e de cartões de crédito. Por causa de suas características, o Telegram acaba por facilitar ilegalidades que normalmente eram cometidas por meio de outras plataformas de comunicação, como IRC, ICQ, fóruns fechados, Orkut, Facebook e WhatsApp.

Como são esses grupos?

Qualquer pessoa munida de um chip de celular pode registrar uma conta no Telegram. Mas, diferentemente do que exige o WhatsApp, o uso desse aplicativo em um computador não depende de que, ao mesmo tempo, o chip esteja instalado em um celular conectado à internet. Isso, segundo especialistas, dificulta ainda mais a identificação do usuário.

O que é negociado nesses grupos?

“Alguém puxa o nome da mãe desse cara aqui e o RG dele pra mim na humildade”, pede um usuário em um dos grupos – em seguida ele oferece em troca cartões de crédito. “Pago 2 reais pra quem puxa CPF”, afirma outro. “Alguém salva consultando um CPF preciso apenas da data de nascimento”, pergunta um terceiro. Essas negociações e informações trocadas ou vendidas funcionam como se fossem peças de quebra-cabeças de fraudes em produção. Um cadastro falso, por exemplo, pode se valer de dados pessoais de terceiros coletados de alguma base de dados, como nome completo, nome da mãe, data de nascimento, endereços, números de telefone, números de documentos como RG e CPF. Fraudadores também fazem uma análise de crédito da vítima – se a vítima tem uma alta pontuação de bom pagador nas empresas de avaliação, o nome tende a chamar menos atenção ao golpe em curso.

Como minimizar os danos causados por esses ataques?

O especialista em segurança de dados e diretor de operações da Mandic Cloud Solutions, diz que o usuário pode tomar alguns cuidados para ao menos diminuir os danos no caso de ser atacado por hackers. “O primeiro ponto é o usuário não usar senhas fracas. O ideal são senhas com mais de 10 caracteres, com números, letras maiúsculas e caracteres especiais”, afirmou. Ele afirma que, além de uma senha mais complexa dar mais trabalho ao hacker, combinações diferentes para contas distintas evita acesso a outras caso uma delas se torne conhecida. Se a senha cadastrada num site de compras for a mesma do e-mail pessoal do usuário, por exemplo, o hacker poderá ter acesso a ambas – e, por consequência, a dados muito mais sensíveis e provavelmente a outras contas.

Ler a notícia na íntegra

Fonte: BBC

Saiba como evitar esse e outros tipos de fraude acessando a página do BrSafe, um sistema moderno e eficaz no combate a fraude em documentos.

Rapaz é preso após passar correndo com caminhonete em frente à PM e mostrar falsa identidade do Exército

Sem Comentários

12/08/2019

Na noite de domingo (11), em Campo Grande, um rapaz de 26 anos foi preso após passar correndo com a caminhonete que dirigia na frente da Polícia Militar (PM) e apresentar documento de identidade falsa. Segundo informações do boletim de ocorrência, a PM fazia rondas pela região da Vila Sobrinho e nas proximidades da avenida Tamandaré com a Júlio de Castilhos se deparou com uma caminhonete em alta velocidade. Os policiais foram atrás, o motorista parou e inicialmente se apresentou como oficial da PM. Ele entrou em contradição diante das perguntas dos militares e depois disse que era tenente do Exército. Conforme o registro policial, minutos depois o rapaz falou que era sargento do Exército e apresentou identidade funcional que aparentemente não parecia ser verdadeira. O jovem então confessou que o documento era falso e que um amigo tinha feito pra ele. Diante da situação, ele foi encaminhado para a Delegacia de Pronto Atendimento Comunitário e autuado por uso de documento falso. Conforme o delegado Antônio Souza Ribas, o crime de uso de documento falso é inafiançável e o rapaz será encaminhado para audiência de custódia, onde o juiz irá decidir se ele permanecerá preso.

Ler a notícia na íntegra

Fonte: G1

Saiba mais sobre os crimes de fraude no site do BrSafe.

Homem é preso suspeito de golpe da troca de cartão

Sem Comentários

11/08/2019

Na tarde desse sábado (10) no bairro dos Bancários, Zona Sul de João Pessoa, um homem de 26 anos foi preso em flagrante, suspeito de aplicar o golpe da troca de cartão dentro de uma agência bancária. A vítima foi um idoso de 74 anos. Conforme a polícia, o suspeito foi detido por policiais que estavam de folga, após serem informados do golpe pela vítima, que relatou que estava em um banco quando dois homens ofereceram ajuda para operar o caixa eletrônico, e efetuaram a troca do cartão, decorando a sua senha. Os policiais conseguiram identificar e prender um dos bandidos, que estava em um carro branco com placa do Ceará. O homem detido foi identificado por outra pessoa, que também foi vítima do golpe, no período da manhã, em outra agência bancária. O segundo suspeito conseguiu fugir. O homem preso foi levado para a Central de Flagrantes e autuado por estelionato e roubo.

Ler a notícia na íntegra

Fonte: Portal Correio

Saiba mais sobre os crimes de fraude no site do BrSafe.

Anterior